Merendeiras participam de curso de formação
11/08/2021 - 12:26

Quase duas mil merendeiras participam do curso a distância ‘‘Boas Práticas na Manipulação de Alimentação’’, iniciado no último mês de julho. O evento, que está na sua quarta edição, serve de formação continuada para os funcionários que atuam com a alimentação escolar nas instituições estaduais de ensino.

O curso é ofertado pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional (Fundepar) em parceria com a Secretaria da Educação e do Esporte (Seed). ‘‘A formação continuada contribui para o aperfeiçoamento das nossas merendeiras nas suas práticas cotidianas, como o preparo e o armazenamento dos alimentos, e na organização e limpeza da cozinha’’, explica o diretor-presidente da Fundepar, Marcelo Pimentel Bueno.

São 24 horas de carga horária que visa ao aprimoramento de agentes educacionais nos procedimentos higiênicos-sanitários dos alimentos servidos nos colégios. Ainda foi apresentado o protocolo Covid-19, requisito necessário adotado nas instituições de ensino do Paraná, conforme recomenda o Programa Nacional de Alimentação Escolar para resguardar a promoção da alimentação segura e saudável nos colégios estaduais.

Graciani Neves de Brito Favorito, da Escola Estadual Antônio Franco Ferreira da Costa, em Formosa do Oeste, é responsável pela alimentação de quase 300 alunos, destaca a importância da formação. ‘‘Conhecimento é tudo. Aprender para contribuir é essencial. Sobretudo, em tempos de pandemia, a escola precisa realizar o atendimento de qualidade. E o curso tem muito a somar’’.

Para a Noeli de Carvalho Pereira agente educacional do CEEBJA Cecília Meirelles, em Jandaia do Sul, que faz a formação pela primeira vez,  ‘‘Ajuda em esclarecer dúvidas sobre a segurança na preparação da alimentação escolar".

MÓDULOS - O curso de quatro módulos ocorre na modalidade de ensino a distância e possibilita a aprendizagem autônoma dos participantes. Os módulos são contaminação de alimentos, procedimentos higiênico-sanitários e saúde dos manipuladores, estrutura e organização das instalações de manipulação de alimentos.

"O curso é de fácil navegação. Não houve nenhuma dificuldade no desenvolvimento das etapas. As informações são bem claras e contribuem para o desenvolvimento do meu trabalho’’, destaca Maria Luiza Borges que trabalha há 30 anos no Colégio Estadual Padre Ângelo Casagrande, em Marilândia do Sul.

Últimas Notícias